[Resenha Filme] Azul é a Cor Mais Quente

domingo, janeiro 17, 2016



Sinopse: Adèle (Adèle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre, na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux), sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos, ela se entrega por completo a este amor secreto, enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.

Minha Opinião: As pessoas tendem a pensar que Azul é a Cor Mais Quente é um filme pornô lésbico, por favor gente isso é ridículo. Há cenas de sexo sim, mas o filme não gira em torno disso, aliás sexo é uma coisa tão normal pra duas pessoas que se amam, sejam elas heteros ou homossexuais. Que fico impressionada como a mente de algumas pessoas consegue ser tão fechada. 

Voltando ao filme, Adèle protagonista do filme e uma garota de 15 anos que divide sua vida entre o ensino médio e dar aulas para de francês para crianças, e Emma é uma artista plástica de cabelos azuis. Elas se conhecem e dão início a um relacionamento intenso. 


Apesar da longa duração, que se torna um ponto positivo pois conseguimos ter uma ideia detalhada da vida da protagonista, de suas incertezas e dúvidas e descobertas. 

O filme é basicamente isso, a passagem da adolescência pra vida adulta, onde podemos no decorrer do filme observar como Adéle se descobre e descobre o mundo á sua volta. Tanto que ao final do filme percebemos que começamos com Adéle como uma adolescente confusa e no final ela já está madura e precisando conhecer muito mais de si mesmo. 



Pra muitas pessoas o ponto alto do filme são as cenas de sexo, mas tem coisas além disso como a briga entre elas, e uma das cenas quase no final do filme em que elas estão no Café, que pra mim foi muito emocionante. 

Não gosto de dar muitos Spoilers em minhas resenhas, então termino ela por aqui. O filme é bom sim, se você souber captar a essência dele, do contrário vai acha-lo cansativo (assisti com uma amiga e ela achou). Então não há muito pra quem indicar o filme ao meu ver, assistam e tirem suas próprias conclusões. 

LEIA TAMBÉM

0 comentários